Treinamento Resistido na Terceira Idade

Os Benefícios do Treinamento Resistido na Terceira Idade

Até alguns anos atrás, apenas os exercícios aeróbios eram recomendados e utilizados para a melhora e manutenção da saúde. Pouco se conhecia sobre os riscos da musculação sobre o sistema cardiovascular. Com o envelhecimento ocorre uma diminuição lenta e progressiva da massa muscular, que é substituída por colágeno e gordura. A partir da terceira década de vida, o aumento da gordura se reflete em ganho de peso, até aproximadamente os 60 anos. Depois desta idade, embora ainda haja aumento de gordura, o aumento do peso não é mais tão evidente, pois a perda da massa muscular e óssea começa a se acentuar, mantendo o peso corporal mais estável. Após os 40 anos de idade, pela lenta absorção, ocorre a perda de massa óssea, podendo chegar a 1% ao ano. Nas mulheres na menopausa a estimativa aumenta, podendo chegar até 5% ao ano.
O treinamento resistido consiste em uma atividade voltada para o desenvolvimento das funções musculares através da aplicação de cargas, podendo esta ser imposta através de pesos livres (halteres, barras e anilhas), máquinas específicas, elásticos ou da própria massa corporal. O treinamento resistido ou musculação e uma intervenção efetiva contra a perda de fibras musculares, por aumentar a força, a massa óssea e a qualidade do músculo esquelético, pode aumentar a capacidade física e a taxa metabólica basal, reduzir fatores de risco para queda, a resistência à insulina e a gordura total e intra-abdominal dos idosos. Ainda não está bem esclarecido se a musculação adiciona proteção ao coração, mas certeza, sim, há quanto aos extremos benefícios sobre a função músculo-esquelética. Sendo eficaz para facilitar as tarefas corriqueiras do dia-a-dia como levantar-se da cama, da cadeira, subir escadas, carregar pesos, realizar tarefas domésticas e de lazer. Não devemos esquecer de aliar algum tipo de treinamento aeróbio (caminhadas, bicicleta, natação etc.) para melhorar o condicionamento cardiorrespiratório. Recomenda-se musculação com baixa carga (pouco peso) até mesmo para hipertensos, cardiopatas e indivíduos com insuficiência cardíaca. A avaliação deve ser sempre individualizada caso a caso.
O treinamento físico influencia positivamente todos os componentes do sistema músculo-esquelético, o equilíbrio, a flexibilidade, a mobilidade articular, a presteza dos movimentos. O treinamento resistido, quando orientado por profissionais capacitados, reveste-se de níveis adequados de segurança, sendo inclusive compatível e aconselhável mesmo para idosos com mais de noventa anos de idade.
Sendo assim, mexa-se, aproveite o tempo livre para exercitar-se, mas não esqueça: fale antes com seu médico e procure um profissional de educação física qualificado. Depois, só depende de você!
Adriana da Boit
Educadora Física e Acupunturista

Parceria Velopark

Condicionamento Físico para Pilotos de Automobilismo

A maioria das pessoas acredita que por passarem boa parte do tempo sentados os pilotos não tenham um grande desgaste físico. Para ser um piloto de automobilismo de sucesso é necessário muito mais do que talento e uma equipe que deixe seu carro potente e capaz de atingir altas velocidades. Preso em um minúsculo espaço pelo cinto de segurança, invadido pelo calor sufocante, sacudido pela trepidação e esmagado pela poderosa força G, com o motor rugindo bem alto, o piloto tem pela frente um intenso desgaste físico e emocional, enfrentando um dos maiores desafios a que um ser humano está sujeito. Apesar da série de treinos a que as equipes são submetidas nos autódromos, a preparação dos pilotos começa bem longe das pistas. A necessidade de concentração e a rapidez que são exigidas dos reflexos devido à alta velocidade obrigam os atletas a seguirem um intenso programa de treinamento físico, intercalando exercícios de resistência e hipertrofia muscular com exercícios aeróbios e de flexibilidade para manter o condicionamento físico. Na década de 80 o piloto Ayrton Senna foi o pioneiro na prática de desporto complementar e exercícios adicionais como parte da preparação física e mental necessárias para um melhor desempenho nas pistas.

Benefícios do Treinamento Personalizado

• Melhora o condicionamento cardiovascular, aumentando o nível de concentração e resistência ao stress físico e mental em que o piloto submete-se durante a corrida

• Fortalece as musculaturas mais solicitadas (pescoço, braços, antebraços, costas, coluna vertebral, abdômen, etc.), dando maior firmeza aos movimentos sem perder a sensibilidade .

• Previne as disfunções crônico-degenerativas (hipertenção, obesidade, diabetes mellitus, etc.)

• Melhora os reflexos e a visão periférica, podendo enxergar o adversário com mais rapidez e segurança.

• Reduz risco de lesões, suportando melhor a força G e a força centrifuga durante as curvas

Adriana da Boit
Educadora Física e Acupunturista